O prefeito Alcino Barcellos esteve reunido no início da semana com nove dos onze vereadores e decidiu “partir para cima” da direção do Hospital Vale do Guaporé com denúncias  graves, dizendo frases como “lá é uma verdadeira máfia”, “há lavagem de dinheiro”, “tudo é uma farsa” e outras acusações. Ele liberou os que estavam presentes a, se quisessem, gravar o que estava dizendo. O que foi feito.

Barcellos disse também que, enquanto ele não retomar a direção da Santa Casa não vai autorizar ou fazer qualquer investimento naquele Hospital.

Os vereadores, até o momento, não divulgaram se irão tomar alguma providência com relação às acusações feitas pelo prefeito.

A pedido dos vereadores, o Conselho Curador responsável pelo Hospital esteve reunido na noite de ontem (27/04) para avaliar as acusações e a decisão do prefeito de insistir em  desviar o dinheiro da emenda parlamentar do Deputado Wancley destinada para a aquisição de um aparelho de raio-x digital, usando a verba para a reforma de um posto de saúde.

Estavam presentes na reunião o presidente do Conselho, José Valton,  os membros da diretoria executiva, o diretor do Escritório Regional de Saúde Romes Amurim, a representante do Deputado Wancley Alice Fante, o presidente do Sindicato Rural Nilmar Miotto, o presidente da ACEPL Eridson Vieira e os vereadores Masxuel Guimarães, Ivanildo Amaral, Marcia Ponte, Antonio Pedrosa, Rogério Lero Lero, Natalicia e Anderson Barbosa.

Na reunião, a direção apresentou um relatório de receitas e despesas do Hospital, o mesmo já apresentado ao prefeito.

Nas discussões sobre a aquisição do raio-x, as críticas à ação do prefeito e da secretária de saúde foram generalizadas. Os vereadores foram enfáticos ao dizerem que não vão permitir que a verba seja aplicada de forma diferente da que foi originalmente destinada, decisão já tomada pela Câmara e pela vontade manifesta pelo autor da emenda, principalmente ao tomarem conhecimento de que o hospital está pagando R$ 15.000,00 mensais pela locação de um aparelho. Ficou decidido que será formalizado um documento em que o poder legislativo e as entidades não exigir que o aparelho de raio-x seja adquirido.

Quando as críticas do prefeito passaram para a pauta, a indignação foi geral. O diretor administrativo, Ideraldo Pires da Costa, disse que faz prestações de contas regulares e públicas e que não admite as acusações e que vai propor que uma comissão de representantes dos poderes públicos faça uma auditoria completa no Hospital. O resultado será encaminhado ao Ministério Público. “Isso é para todos verem a lisura com que administramos e a nossa integridade moral”. Irritado, disse ainda que “não preciso tirar um real do hospital. Meu patrimônio se resume a minha casa, meu carro e meu escritório. Não vou admitir que um vagabundo fale um trem desses. Ele tinha que falar isso na minha cara. … Ele tem que ser homem o suficiente para falar isso na minha cara. Não sou vagabundo, não. Assino cheque sempre em conjunto com o Dr. Daniel. A minha honra não vai ser jogada na lama”. Disse ainda que vai interpelar judicialmente o prefeito pelas declarações.

Da forma como foram feitas e para quem foram dirigidas, as acusações de Barcellos acabaram atingindo todos os representantes das entidades que administram o Hospital. O Conselho Administrativo tem a seguinte composição: O Lions Club indicou o presidente, Ideraldo Pires; o Rotary Club indicou o diretor financeiro, advogado Daniel Soares e a OAB  fez a indicação do diretor administrativo, Dr. Ramão Júnior, atual presidente da Sub-seção de Pontes e Lacerda.

O Conselho Curador e o Conselho Fiscal são presididos pelos representantes da Maçonaria, José Valton e Carlos Magno.

A ata da assembleia será registrada em Cartório e um documento será redigido sobre os assuntos tratados.