O prefeito Alcino Barcellos preparou um presente de final de ano para a população de Pontes e Lacerda.  Ao encaminhar o projeto de Lei nr. 2191  o prefeito tentou, sub-repiticiamente, a pretexto de normatizar a área de saneamento básico, induzir os vereadores a votarem a criação da taxa de coleta de resíduos sólidos, a taxa de lixo.

A pressa na votação também se justifica, pois a tributação poderá ser aplicada já no ano que vem.

O referido projeto trata da “política municipal de saneamento básico e cria o conselho e o fundo municipal de saneamento”. E também dispõe da normatização da taxa de coleta, tratamento e manejo de resíduos sólidos. No artigo 47, Alcino Barcellos deixa bem claro como o novo imposto será cobrado , levando em consideração o nível de renda, características dos imóveis, peso ou volume coletado e o tipo de resíduo gerado.

A Votação no plenário da Câmara estava encaminhada quando o vereador Anderson Barbosa detectou o verdadeiro espírito da Lei e pediu que a sessão fosse suspensa para uma análise mais aprofundada do referido projeto.

Ao perceberem que, na prática, o Poder Executivo estava instituindo mais uma taxa para a sociedade arcar, os parlamentares – por unanimidade – retiraram o projeto da pauta, devendo ser votado na próxima sessão legislativa, 11 de dezembro.