Thursday, Mar. 21, 2019

Carregando ...

As sete perguntas de Maxsuel que Alcino não tem resposta

Escrito por:

|

20 de fevereiro de 2018 às

08:50

|

Postado em:

As sete perguntas de Maxsuel que Alcino não tem resposta

Se a política fosse jogo de xadrez, o vereador Maxsuel Guimarães teria conseguido dar um xeque mate no prefeito Barcellos.

Como contra fatos não há argumentos, Maxsuel mostrou na sessão desta segunda-feira (19/02) na Câmara e no programa Visão Crítica da TV  Centro Oeste que Alcino pode enganar alguns por algum tempo, mas não pode enganar todos o tempo todo.

O vereador comentou o projeto de Lei 2214/2018 aprovado em regime de urgência onde o Executivo solicitou autorização para abertura de crédito adicional no valor de R$ 3.534 mil, para aquisição de equipamentos e materiais permanentes, dentre outros. Esse valor já está na conta da Prefeitura desde o ano passado, oriundo de emendas parlamentares e não fruto de economia de R$ 5 milhões como costuma apregoar o Prefeito.

Com sete perguntas, o vereador deixa o prefeito sem saber o que responder :

1. Porque os equipamentos da UPA não foram comprados em 2017 se a Câmara Municipal os aprovou tempestivamente?

2. Porque não equiparam o Laboratório Municipal ?

3. Porque o ano letivo do município terminou antes do previsto no ano de 2017 lesando os alunos no direito aos duzentos dias letivos?

4. Porque em 2018 ainda não começaram as aulas  nas escolas rurais, contrariando o calendário escolar ?

5. Porque os postos de saúde não foram reformados ?

6. Porque depois de 14 meses de administração ainda faltam, e muito, material odontológico nos postos de saúde ?

7. Porque não começaram as pavimentações asfálticas dos bairros ?

O parlamentar apontou essas perguntas também em um grupo de whats app que vez por outra critica os vereadores, mas poupa justificadamente o Prefeito, que tem dado total prioridade à manutenção da estrada do Matão e outras poucas estradas vicinais em detrimento de áreas de fundamental importância para a população.

Maxsuel rebate as críticas aos que só sabem falar mal dos vereadores. “Somos nós que somos cobrados quando seus filhos ficam sem transporte escolar, quando estão sem frequentar as aulas enquanto em outras escolas as aulas já iniciaram. Quando não tem remédio na farmácia central, quando não tem vaga nas creches, enquanto tem creches inacabadas”.

“Reconheço o empenho do prefeito Alcino. Mas sei que ele pode fazer muito mais, basta ter determinação. Se para os produtores está bom, parabéns, mas para a maioria da população que precisa de assistência social, saúde, educação, esporte e lazer a administração tem deixado a desejar”, concluiu o parlamentar.

Print Friendly, PDF & Email

Artigos relacionados

Câmara podia ousar e discutir melhor o apoio financeiro à Santa Casa
Uma ambulância, quatro questionamentos e transporte de pacientes já falecidos
IFMT oferece curso superior de Administração de Empresas com vestibular este ano

(2) Readers Comments

  1. Reinaldo Izidio Da Silva
    20 de fevereiro de 2018 at 11:12

    É , mas a estrada do matão,segundo o que sei é a equipe da mineração quem esta fazendo a manutenção . e com todas essa perguntas sem respostas ,incluo mais uma , as pontes que não se constroem como a da Teresinha Cora Garbim, não é mesmo ?a que foi construida esta sem o acabamento asfáltico até hoje e a quanto tempo é complicado . bom dia .

  2. Fidel Ortega
    2 de março de 2018 at 12:43

    Vão mais algumas perguntas além das do vereador Maxsuel: Por que o Centro Olímpico continua abandonado, embora a justiça tenha obrigado a continuidade da obra?; Por que a obra da praça da Vila Guaporé (antiga secretaria de obras) continua paralisada?; Por que as obras do posto de saúde e creche do Residencial Glória continuam paralisadas?; Por que a obra da creche próximo a escola Sanaria Silvério de Souza continua paralisada? Por que o Centro Comunitário da Vila Guaporé está abandonado?. Aliás essas obras remontam desde 2012 quando o ex prefeito Newton Miotto as iniciou, deixando recursos para as construções e até hoje nada, né? Outra coisa: Essa história de queda na arrecadação é mentira. Veja os orçamentos anuais como aumentaram desde 2012. ano de 2013; R$ 63.911.000,00; 2014 R$ 93.268.000,00; 2015 R$ 84.660.500,00; 2016 R$ 78.565.000,00; 2017 R$ 95.880.000,00; 2018 R$ 122.770.000,00. Nos anos de 2015 e 2016 houve suplementação por excesso de receita. Fonte: PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA-MT.

Deixe um comentário sobre isso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*