A Assembleia Legislativa instalou hoje (14) a Câmara Setorial Temática (CST) com a finalidade de debater a autonomia administrativa e financeira da Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec). Além disso, a CST terá também como objetivo propor mais celeridade aos trabalhos internos do setor de segurança pública e rapidez em processos administrativos.

“Essa garantia financeira e administrativa para a segurança pública vai demonstrar na prática o quanto o setor vai avançar nos trabalhos. Os resultados serão mostrados na prática e a população vai ganhar a com agilidade”, acredita o presidente da CST, deputado Wancley Carvalho (PV).

O parlamentar afirmou que a CST tem também a finalidade de fortalecer a discussão de um novo modelo de autonomia para todas as forças de segurança. Ele conta que os membros da CST visitaram alguns estados brasileiros que já contam com esse sistema, como São Paulo e Minas Gerais.

“É um tema muito importante para a categoria e, principalmente, para o estado. A situação precária do setor não é culpa dos profissionais, mas sim do sistema, portanto a câmara setorial é para debater e levar uma proposta adequada para o governador”, destaca Carvalho.

Para o coronel do Corpo de Bombeiros, Wágner Santino, muitos serviços ficam “emperrados” por causa da falta de autonomia financeira e administrativa. Ele entende que este é um antigo desejo da classe para agilizar os trabalhos. “É uma proposta que vai impactar de forma positiva todas as instituições. Isso tudo vai agilizar e resgatar na prática o que as corporações tanto almejavam no passado, garantindo que o pleno serviço chegue mais rápido para a população”, falou Santino.

O coronel Marcos Sovinski destacou que as principais dificuldades enfrentadas pela Polícia Militar atualmente passam justamente pela falta de autonomia financeira e administrativa. “Vamos propor sugestões baseados nos problemas diários que enfrentamos, para que possamos apresentar um projeto de qualidade ao governo do estado com o objetivo de aperfeiçoar o serviço prestado à população”, garantiu Vital Junior.

Com a instalação da CST, a equipe técnica vai debater propostas da classe de segurança pública com sugestões na possível mudança na formatação administrativa e prováveis ações capazes de melhorar o serviço prestado à população. “Com a autonomia certamente, vamos ter uma melhora e também teremos o aprimoramento do processo de eficiência  da gestão”, falou o deputado.

O delegado da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso, Mário Dermeval Araveck, lembra que a autonomia vai proporcionar um novo método de trabalho para as aquisições de materiais para as delegacias.“É um assunto importante que irá gerar um benefício direto e uma ação positiva para a classe, pois, com essa iniciativa, cada região define suas prioridades emergenciais”, revelou ele.