O aumento da criminalidade vem causando preocupação e diante da situação toda a sociedade foi convidada para discutir juntamente com as autoridades civis e militares meios para conter a escalada da violência, principalmente com o crescimento dos índices de furtos e roubos, mas infelizmente pouco mais de 20 pessoas compareceram no plenário Valter de Oliveira.

O objetivo principal da reunião foi colocar em destaque a falta em alguns pontos da segurança pública. A audiência aconteceu na noite de quinta-feira (13/09), nas dependências da câmara de vereadores em Pontes e Lacerda. Autoridades e representantes da sociedade civil organizada discutiram a segurança pública no município

A ação foi desencadeada pelo vereador Ivanildo Amaral, que se preocupou em reunir toda a cúpula da segurança como: Ministério Público, representado pelo promotor Dr. Frederico Ribeiro, o Juiz de Direito, Elmo Lamoia de Moraes, Capitão Maia Comandante do Corpo de Bombeiros, delegado Regional Dr. Rafael Scatolon, a Policia Militar sendo representada pelo Tenente Fidélis, além de representantes do Lions Clube e o Conseg.

Após as explanações dos representantes, as pessoas puderam fazer livremente suas críticas e sugestões.  E um dos temas abordado foi a influência do menor na criminalidade, devido à falta de apoio em ações sociais. “Hoje precisamos de políticas sociais para tiramos os jovens das ruas e prepara-los para um futuro promissor, são pequenas ações que vão desde esporte até ações literárias, que podem ajudar a desenvolver o adolescente e fechar o caminho para a criminalidade”, destacou o juiz de Direito Elmo.

Há um projeto para a implantação de um Centro de Recuperação para Menores Infratores. Existe até recurso destinado para iniciar a obra, mas o estado não executa. “São mais de R$ 30 milhões de reais para esta obra, mas infelizmente o estado não tem interesse em abraçar a causa. Hoje quando o menor infrator pratica um crime, ele já sabe que vai voltar para as ruas, por falta de local adequado para cumprir pena”, afirmou o magistrado.

O organizador da audiência pública vereador Ivanildo Amaral avalia como positivo o resultado da reunião, e adianta que agora vai avançar para a segunda etapa. “Poucas pessoas da sociedade civil organizada compareceram no evento, mas a cúpula da Segurança Pública foi reunida para debater esse tema, principalmente no crescimento de furtos e roubos. Ficamos em região de fronteira e somos usados para o escoamento para o tráfico de drogas e veículos levados para a Bolívia”, Ressaltou o parlamentar.

Um dos principais objetivos da reunião era obter o maior números de pessoas para debater a segurança pública. Para o promotor DR. Frederico Ribeiro, a comunidade tem que participar de mais ações voltadas a segurança, “A comunidade tem um papel fundamental para recebermos mais atenção na segurança pública. É comum ouvirmos pessoas que não vão registrar um Boletim de Ocorrências por que acham que não convém, isso não pode acontecer. Registrando o B.O as forças policias não têm como trabalhar.  Recebemos convenio do estado devido ao número de ocorrências registradas”, frisou o DR. Frederico Ribeiro.