Omisso, inoperante, atrasado nas ações e fora de contexto.

Assim se porta o Conselho Municipal de Saúde de Pontes e Lacerda. Os desconhecidos conselheiros se reuniram nesta semana e só agora descobriram o que toda a população de Pontes e Lacerda já sabe e sofre há muito tempo: a precariedade do atendimento da Santa  Casa.

Com viés político e parecendo tendenciosidade, o presidente do Conselho agiu como o ídolo brasileiro das corridas de Formula-1 e que ficou  famoso pela  lerdeza: chegou atrasado, fora de contexto e com discurso que deveria ter feito há anos atrás.

O Conselho soube criticar o atendimento do Hospital. Mas escondeu o fato de que a inoperância do prefeito municipal, para se ater no âmbito municipal, tem retardado a implantação da Unidade de Pronto Atendimento – a UPA – cujas instalações foram inauguradas em 2016 pelo ex-prefeito Donizete Barbosa. E com mais de um milhão de reais de emenda parlamentar do deputado Ezequiel Fonseca especificamente para aquisição de equipamentos.

Em nenhum momento os conselheiros se dispuseram a desnudar a verdade de que os constantes  atrasos dos repasses do governo estadual, e em alguns meses também retidos indevidamente pela própria prefeitura, é o principal motivo da precariedade do atendimento da Santa Casa.

O esforço da diretoria do Hospital, do Escritório Regional, do deputado Wancley não é de agora., com encontros constantes com o governo estadual. Em alguns compareceu também o prefeito Alcino Barcellos. Já o inoperante Conselho não é representado sequer nas reuniões que trata dos problemas da saúde de Pontes e Lacerda.

Não cumpre seu papel principal. E quando resolve fazê-lo, é atrasado e fora do contexto.

O presidente do Conselho – reeleito – critica o atendimento da Santa Casa dizendo que falta profissionalismo aos servidores. Não sabe ou esconde a falta de medicamentos básicos na Secretaria de Saúde desde o início do ano, onde até antibiótico está faltando.

Não se preocupa com os cerca de mil pacientes que estão esperando uma consulta oftalmológica. Destes, cinquenta por cento necessitam de cirurgia de catarata.

Esquecem ou fecham os olhos para as mulheres de Pontes e Lacerda que não conseguem fazer laqueadura para evitar mais filhos. Todos os procedimentos são feitos e pagos em Vila Bela da SS Trindade.

O Conselho deve estar satisfeito e aplaudindo o atual prefeito pela aquisição de mais uma ambulância. Querem esconder que a aquisição é um atestado de incompetência e uma demonstração de que o administrador público não sabe como resolver os problemas da saúde.

Esse Conselho Municipal de Saúde é presidido pelo Pastor Manoel Elecinio, composto por 12 membros representantes do governo municipal e de prestadores de serviços, dos trabalhadores na saúde e dos usuários.

O Conselho não consegue ser tempestivo nem nas críticas. O “Rubinho” de Pontes e Lacerda.