Limpeza de pastos, aceros de cercas, limpeza de quintais, de restos de papéis ou qualquer outro material através do fogo é crime nesta época do ano.

Uma reunião promovida na manhã desta sexta-feira (21.07), na sede do Ministério Público de Pontes e Lacerda, debateu integração das forças de segurança, poder executivo e judiciário, para coibir queimadas e punir os infratores quando o fogo for criminoso.

O encontro serviu também para que o Corpo de Bombeiros pudesse expor os riscos, as principais causas e consequências do fogo, principalmente nesse período de seca, tanto para o meio ambiente, quanto para o ser humano.

Ficou definido que haverá uma campanha de conscientização e que, posteriormente, se as queimadas continuarem, haverá a parte punitiva. Forças policiais e judiciárias se comprometeram em desenvolver ações para identificar e responsabilizar o infrator.

A Polícia Militar, por exemplo, citou o uso de um drone para verificar os incêndios e tentar identificar o responsável.

Provocar queimadas na zona urbana ou rural é terminantemente proibido por um decreto estadual por um período de três meses que foi iniciado no último sábado (15.07). As queimadas urbanas são proibidas em qualquer época do ano.