O Hospital Vale do Guaporé está sendo alvo de denúncias na área de atendimento médico, principalmente na UTI que recebe pacientes em estado grave, a maior parte de outros municípios do Estado.

Na UTI apenas um médico está atendendo juntamente com quatro estudantes. A gravidade da situação aumenta quando os denunciantes recebem informações de dentro do hospital de que o médico é inexperiente  – inclusive na intubação – e que os pacientes, não raros, são atendidos pelos aprendizes.

Para piorar, os parentes de pessoas internadas, quando informados sobre o estado de saúde delas, são comunicados que há também falta de medicamentos na UTI.

Para complicar ainda mais, informações recebidas de dentro do hospital são de que seis pessoas internadas morreram desde a última quinta-feira. A mesma fonte prometeu passar os nomes dos que faleceram.

Hospital administrado pela Prefeitura

O presidente do Conselho Diretor que pediu exoneração e as diretoras de administração e financeiro foram indicadas pelo Executivo Municipal. Uma pessoa próxima ao Prefeito de Pontes e Lacerda revelou que o gestor público reconheceu o erro e está buscando reparar fazendo uma devassa na contabilidade e no setor financeiro procurando e encontrando irregularidades e desvios de recursos. “Barcelos está dando expediente no Hospital. Chamou até a secretária municipal de saúde que está também trabalhando na Santa Casa”.

Conselho Curador procura soluções

O Hospital está sendo administrado por uma Comissão Provisória presidida pelo vice-presidente do Conselho Curador, Pastor Junior Libório, que está buscando soluções a curtíssimo prazo.

O novo Diretor Clínico, dr. Osmar Pavarine, assumiu hoje e já está alterando a composição do quadro de médicos e a estrutura de plantonistas.

Deviam suspender atendimento na UTI

O que preocupa é que o atendimento na UTI estaria sendo prestado por profissionais inexperientes. A secretaria estadual de Saúde deveria mandar uma equipe médica para fazer o atendimento até que novos profissionais qualificados sejam contratados pelo Hospital.

Ou suspender a vinda de novos pacientes.