Uma enfermeira de 39 anos foi morta a facadas na casa dela, no Bairro Paiaguás, em Várzea Grande, na madrugada desta segunda-feira (1°), durante uma discussão com o filho dela, de 18 anos. O jovem é o principal suspeito.

A vítima era enfermeira do Hospital Municipal de Cuiabá (HMC). De acordo com a Polícia Civil, o crime aconteceu por volta das 2h30 desta segunda, na casa em que Fabiana Maria Amaro da Silva morava com o filho.

Conforme laudo da Politec, a causa da morte foi choque hipovolêmico ocasionado por múltiplas lesões no pescoço.

O crime teria acontecido durante uma discussão entre Fabiana e o filho, em razão de o suspeito ser usuário de drogas. Segundo a Polícia Civil, os dois já haviam tido desentendimentos anteriores, e a vítima já teria registrado um boletim de ocorrência contra o filho por ele ter furtado sua carteira.

Segundo o boletim de ocorrência, os vizinhos relataram que teriam ouvido gritos de socorro vindos da casa da Fabiana, mas preferiram não se manifestar. No momento em que as equipes policiais chegaram no local, o filho da vítima estava bastante exaltado e desacatou os policiais militares, sendo detido.

Diante dos indícios de autoria, ele foi conduzido à Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), onde as testemunhas serão ouvidas pelo delegado Hércules Batista Gonçalves. O jovem deve responder por feminicídio.

Fabiana era enfermeira desde 2015. Ela começou a carreira na saúde como técnica de enfermagem, em 2007, e trabalhou em unidades como o Hospital Regional de Alta Floresta, Hospital Metropolitano e o Centro de Testagem de Covid-19, em Cuiabá. Ainda não foram divulgadas informações sobre o velório e sepultamento.

Paulo Rós, diretor-geral da Empresa Cuiabana de Saúde Pública, lamentou e afirmou que Fabiana era uma funcionária exemplar. “Ótima funcionária, extremamente dedicada ao trabalho, vai deixar um vazio muito grande. Que Deus conforte à família e amigos”, disse.

Fabiana ingressou no HMC após passar em um processo seletivo em 2019. Ela atuava como enfermeira no período diurno e cursava o quinto semestre do curso de odontologia. O Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso (Coren) também lamentou a morte por meio de nota.

“Neste momento de tristeza, o Coren presta as suas condolências aos familiares e amigos de Fabiana”, diz em trecho.

 

 

G1