Quem diria que já estamos no mês de agosto e a Prefeitura de Pontes e Lacerda não tenha iniciado nenhum campeonato destacando o esporte! Pois é, tiraram a tradição do esporte ponteselacerdense, que nos meados dos meses de agosto e setembro os campeonatos eram encerrados.

Muitos irão dizer que isso é “oposição”, será? Na campanha política tudo se prometeu, e ainda criticava a coordenação da secretaria, gritando pelos bastidores do esporte, que durante a sua gestão mostraria como se  deve conduzir um campeonato. Muitos desportistas até entraram na onda, e venderam a ideia, mas, infelizmente todos foram enganados. Hoje o esporte deixou de ser prioridade, aliás a Secretaria de Obras é prioridade, o resto que espere.

Primeiro se faz um pregão, uma empresa de Pontes e Lacerda vence, e depois é obrigada a dar uma premiação em dinheiro, sendo que não estava no edital, e o pior de tudo, o prefeito Alcino Barcelos gravou áudios, afirmando que não daria ordem de serviço para a empresa vencedora, enquanto não pagasse a premiação. Adivinha, o áudio caiu na mesa do promotor e o prefeito teve que se explicar, e virou uma ação contra o Poder Executivo. E além de tudo tentou encontrar um culpado, aliás é mais fácil jogar a culpa em alguém, do que reconhecer o erro.

Na manhã desta quinta-feira (03/08) aconteceu na prefeitura um novo pregão. Duas empresas se apresentaram mas, um erro no edital impediu a definição de quem será a vencedora e, consequentemente, protelar início do campeonato. O inciso III do parágrafo 11, solicitava a apresentação de certificados dos árbitros mas nenhuma empresa os apresentou.

Agora para uma cidade que se diz “polo”, como explicar a falta de campeonatos de futebol?

As equipes estão buscando alternativa em outros municípios, como é o caso do time do CAP, que disputará uma final contra a equipe de Cáceres, no próximo domingo (05/08) na cidade de Porto Esperidião.

Será que estão tentando encontrar alguém para colocar a culpa? Em um grupo de whatsapp o atual Coordenador de Esportes estava indignado com a situação, tendo afirmado que até o dia 15 deste mês, se os campeonatos não forem iniciados, pedirá demissão do cargo.