Queimada urbana é crime o ano inteiro e essa regra é mais observada no período proibitivo para a utilização de fogo na limpeza de pastagens na zona rural. Em 2017 compreende de 15 de julho a 15 de setembro.

Neste ano, uma operação denominada ‘Apaga Pontes e Lacerda’ está punindo aqueles que são flagrados ateando fogo em qualquer material, até mesmo em folhas secas e podas de árvores. A ação reúne os órgãos da segurança Pública da cidade.

Mas, aí vem uma pergunta: o que fazer com esse tipo de material?

Em Pontes e Lacerda, o sistema de coleta de lixo público não recolhe esse material. Alguns ainda conseguem contratar um freteiro, em sua maioria carroceiro, para levar até um local adaptado pela prefeitura para a desova desse tipo de lixo: os fundos da Vila Olímpica.

Mas, nem todos  podem pagar pela contratação por falta de condições financeiras. Queimar também não pode, dá cadeia. Fazer o quê, então?

O jeito é amontoar as folhas e juntar o dinheiro. O frete é o equivalente a metade de um botijão de gás de cozinha, cerca de 30 reais.

A Secretaria de Obras e o departamento de Meio Ambiente já até tentaram achar uma solução. Mas, nada de concreto.

Uma coisa é certa: queimadas são proibidas e a regra deve ser respeitada.

Isso parece que só não vale para o lixão, próximo a Unemat, que é incendiado quase todo dia a tarde.