Executiva Estadual do PSDB se reúne na noite desta sexta (16), em Cuiabá, com objetivo de começar a definir as estratégias para o processo eleitoral. Entre os assuntos em pauta estão a manutenção o projeto de reeleição do governador Pedro Taques (PSDB), a manutenção da aliança com o DEM e o calendário de visitas para estruturação da campanha nos municípios.

Taques confirmou presença. Além do governador, o deputado federal Nilson Leitão e os integrantes da bancada tucana na Assembleia Guilherme Maluf, Saturnino Masson, Baiano Filho e Jajah Neves e o secretário de Cidades Wilson Santos, que deixa o cargo no próximo dia 20 para viabilizar sua reeleição de deputado estadual, também devem participar.

Na reunião, Taques deve oficializar aos correligionários que pretende disputa a reeleição. Além disso, reforçará o pedido de apoio ao projeto que está buscando viabilizar.

O PSDB também buscará uma estratégia para conter a ruptura do DEM. Isso porque a sigla tem reiterado que apresentará candidatura majoritária e o secretário de Assuntos Estratégicos de Várzea Grande Jayme Campos e o ex-prefeito de Cuiabá Mauro Mendes têm se movimentando para se viabilizar ao Senado ou Governo do Estado dialogando com aliados descontentes e opositores de Taques.

Nesta semana, o deputado estadual Dilmar Dal Bosco, que preside o DEM em Mato Grosso, entregou a liderança do governo na Assembleia. Ao mesmo tempo, Júlio Campos tem feito duras críticas a Taques a que acusa de “abandonar os aliados”.

Para o presidente estadual do PSDB, Paulo Borges, os tucanos e o DEM são aliados históricos e devem permanecer juntos em 2018. A aliança foi sacramentada em 1994 quando Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foi eleito presidente da República tendo Marco Maciel (PFLDEM) como vice.

Apesar da aliança nacional, foram adversários em Mato Grosso. Em 1998, por exemplo, o tucano Dante de Oliveira (já falecido) foi reeleito governador derrotando o próprio Júlio Campos ainda no primeiro turno.

“O DEM lançou o presidente da Câmara Rodrigo Maia à presidência da República enquanto o PSDB trabalha a pré-candidatura do governador de São Paulo Geraldo Alckmin. As articulações afastam os partidos, o que é natural e tem reflexos nos estados. Acredito que Alckmin e Rodrigo estará na mesma chapa e isso nos reaproximará em Mato Grosso. A aliança entre PSDB e DEM será mantida em 2018”, disse Paulo Borges .

Sobre o DEM garantir que apresentará candidatura majoritária, Paulo Borges também considera natural. Segundo o tucano, ninguém se lança candidato à vice, “Agora é o período das articulações políticas, das conversas. Acreditamos que é possível chegar ao entendimento com o DEM para formar chapas em âmbito nacional e em Mato Grosso”, concluiu.

Fonte/ RD News