O Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea/MT), ligado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec), deu início ao programa de vigilância veterinária e fiscalização do trânsito na área da fronteira com a Bolívia nesta terça (12.09), em Cáceres (cerca de 230 km de Cuiabá). A solenidade contou com a presença de diversas entidades como: a Famato, a Acrimat, a Fabov, a Agasan (Bolívia), o Sindicato Rural de Cáceres, entre outros.

Ainda durante a ocasião, o Indea/MT realizou a entrega de seis caminhonetes por meio do convênio firmado com o Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), seis kits de atendimentos às doenças de notificação obrigatória, além de 12 computadores novos adquiridos através do convênio com o Fundo Emergencial de Saúde Animal de Mato Grosso (Fesa/MT).

Inovador, o plano de ação, idealizado pela equipe técnica do Indea, consiste no acompanhamento de embarque e desembarque de bovinos em estabelecimentos rurais, áreas de posse e reservas indígenas localizadas na faixa de 15 km da fronteira de Mato Grosso com a Bolívia. Cáceres, Pontes e Lacerda, Porto Esperidião e Vila Bela da Santíssima Trindade compõem o grupo de municípios contemplados com o programa. O objetivo da operação é reduzir o risco de introdução e/ou instalação de doenças exóticas e pragas quarentenárias já erradicadas no território mato-grossense.

Para aumentar a eficácia da fiscalização do trânsito de animais, quatro equipes de barreiras volantes atuarão permanentemente na área fronteiriça. As barreiras sanitárias do Corixinha, do Avião Caído, Las Petas, Fortuna, Ponto do Aterro e Marphil funcionarão como base de apoio para as equipes de vigilância sanitária e de barreira volante, substituindo a fiscalização permanente. A barreira do Corixa continuará com o antigo esquema de barreira fixa.

“Essa ação é uma evolução dos trabalhos das atividades que eram realizados há 10 anos na fronteira. Agora, ao invés das barreiras sanitárias fixas durante todo o ano, passamos a ter barreiras volantes que conseguem ter mais mobilidade e, com isso, maior alcance e eficácia no serviço”, explicou o presidente do Indea/MT, Guilherme Nolasco que destacou ainda que cada barreira dispõe de um telefone móvel com internet para facilitar a comunicação das equipes envolvidas com os produtores rurais, otimizando os agendamentos para o embarque e desembarque dos animais.

O gestor também ressaltou que durante a ação não haverá obrigatoriedade de atingir os 100% das ocorrências, mas que o órgão estadual está monitorando via sistema todo o território de fronteira.

.

.

texto: Renata Menezes | Sedec-MT