Desde as origens da fé cristã um dos fundamentos principais é o respeito aos diferentes. Por isso, quem milita contra as injustiças deve partir do princípio de que somos todos criaturas de Deus. E o belo da vida é a convicção de que, aqui neste plano terreno de limitações e finitudes, está plantada a semente do Eterno e do infinito.

Cada vida, pois, merece estar cercada de cuidados e atenções, porque representa o Eterno, essência do Amor e da Fé. É nEle que subsistem o finito e o infinito, a harmonia e a moderação, a humildade e a honra, o poder e a soberania. Nesse contexto toda a existência humana, enquanto Ser, deve ser vista e tratada como ente sagrado, porque, em sua origem, cada indivíduo procede da mesma fonte: O Eterno.

Visto isoladamente, sou provisório e mortal, finito e frágil. Mas, observado como criatura de Deus, estou em construção a caminho da imortalidade e da perfeição, e como tal devo ser considerado pelos circunstantes. Não tenho vida em mim mesmo, como algo que controlo e domino com ampla autonomia. Vida é a semente de eternidade e infinitude que recebi do Criador através dos meus pais. Vida é a chama que me é disponibilizada ato contínuo, mas, que não me pertence.

Eu preciso receber vida o tempo todo do Criador da vida. Eu a recebo todos os dias, em fluxo permanente, e a partir daí passo a me alimentar, me articular e a construir relacionamentos na dimensão do tempo e a caminhar rumo ao propósito para o qual fui criado.

Impossível viver sem propósito. Enquanto não descobrir qual é o propósito para o qual vim a existir, serei como semente caída ao chão, mas não plantada. Estarei impedido de produzir e reproduzir, vivendo no tempo, como um ser vivo sem, no entanto, comungar de uma vocação de estabilidade e transformação que se dá por troca e comunhão de vidas.

Tudo isso reclama por sentido e valor. Vivemos de que, por que, e, para quê?

Se esta placa sinalizadora de sentido não estiver afixada à nossa frente, nosso senso de direção estará comprometido. Nossa mente e coração deixarão de atuar em harmonia, e todas as respostas existenciais me parecerão provisórias e inadequadas.

É o fluir do tempo que nos molda e, durante esse tempo, construímos a nossa história.

Daí a relevância do valor de cada criatura humana, vista sob a luz da perspectiva cristã.      O valor de cada pessoa é infinito e incalculável. É alarmante constatar que muitas vidas, criadas por Deus em imagem e semelhança, são diariamente barganhadas por merrecas e pixulés. Um único dia de noticiário é suficiente para nos estarrecer vendo crianças que morrem por falta de água tratada, adolescentes massacrados por facções, idosos ao desamparo, sem que governantes e sociedade registrem remorsos ou sentimentos.

Aos cristãos da Galácia, região da Turquia, o apóstolo Paulo alertou: “Fiquem espertos: ninguém zomba de Deus: tudo o que a pessoa plantar, é isso mesmo que vai colher!” (Gálatas 6.7).

Até breve.