Novos depoimentos no inquérito que investiga um esquema de pagamento de propina no âmbito do Departamento Estadual de Trânsito (Detran/MT), apontam para novas investigações em outros contratos do órgão que também podem ter outras irregularidades.

As investigações já estão apurando o contrato com o Consórcio Elo Segurança, que atua no ramo de lacres. Tal fato já foi revelado na delação do ex-governador Silval Barbosa, que afirmou ao Ministério Público Federal (MPF) que o “esquema dos lacres”, funcionou entre 2011 e 2014.

Entre os envolvidos, segundo Silval, estariam o deputado Mauro Savi (DEM) e os ex-secretários de Estado Eder Moraes e Vivaldo Lopes. Ambos negam participação no suposto esquema.

Outros contratos também já estariam sob suspeita do Ministério Público, como a compra de placas pelo Detran e o gravame – que é quando uma pessoa compra um veículo através de financiamento, e o mesmo é incluso no sistema do Detran como uma alienação do veículo com a instituição financeira, o que impede a transferência do veículo para outro proprietário.

Nos bastidores, tais depoimentos podem resultar em uma revisão no acordo de delação do ex-presidente do Detran, já que fatos e pessoas podem ter “ficado de fora” dos depoimento de Dóia.

Fonte/MT Via Rádio