Minha oração é pelas famílias, para que o Espírito Santo que é amor, respeito e liberdade, tenha cada dia maior influência em cada família.

No livro dos Atos dos Apóstolos vemos que na fase inaugural da Igreja houve um tempo de paz, conforme registrado em Atos 9.31). A Igreja crescia em paz. Logo inicia uma segunda fase, com a perseguição e o martírio de Estêvão (capítulos 6 e 7). A morte de Estêvão provocou uma reação extraordinária de efeito reverso. Paulo de Tarso, perseguidor, foi convertido ao Caminho (primeira denominação do cristianismo – Atos 9.2) e, imediatamente vira alvo dos perseguidores. Surge, então, um terceiro tempo: é o tempo da perturbação. Toda a ação de Deus no mundo é processual, onde cada ato é consecutivo. Tempos de paz, tempos de perseguição, e, agora, tempos de perturbação.

Atos 15, 22-31. «Porquanto ouvimos que alguns que saíram dentre nós – os apóstolos escrevem aos cristãos que vieram do paganismo – ouvimos que alguns de nós, a quem não tínhamos dado incumbência alguma, viemos para vos perturbar – para vos perturbar – com discursos que transtornaram as vossas almas» (v. 24).

O que tinha acontecido? Os novos cristãos vieram direto do paganismo, acreditaram em Jesus Cristo, receberam o batismo e estavam felizes: receberam o Espírito Santo. Do paganismo para o cristianismo, sem qualquer burocracia. Os religiosos de plantão chamados “judaizantes” não admitiam tamanha praticidade. Se alguém era pagão, primeiro tinha que se tornar judeu exemplar para, só então carimbar o passaporte para entrar no Reino de Deus. Lá estava o balcão de negócios da religião.

Porém, os novatos em Cristo não se deixaram intimidar, rejeitando o rótulo de cristãos de segunda classe. Mas, entre eles formou-se um grupo de desconfiados e inseguros. Estavam perturbados e havia muitas discussões entre eles. Liderando essa anarquia, alguns pseudo-apóstolos usando argumentos pastorais, teológicos e alguns até morais, questionando a liberdade do Espírito Santo, até a gratuidade da graça de Cristo.

Até hoje encontram-se esses espertalhões, fazendo-se mestres e doutores da Lei, a respeito dos quais Jesus dizia com todas as letras:

 «Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, pois percorreis mares e terras para fazer um só prosélito; e, quando o conseguis, fazeis dele um filho do inferno duas vezes pior do que vós mesmos» Mateus 23.15.

Jesus arranca a máscara dos “ideológicos”, tipo de gente que reduzia a vida de relacionamento idealizada por Deus, cinicamente, a uma ideologia: “Faça isso, aquilo e tudo mais exclusivamente como estou lhe dizendo. Se fizer diferente… você está fora”. Uma religião tipo bula de remédio. Viver o evangelho, a boa notícia nunca foi castigo, prescrição. Viver o evangelho implica a liberdade do Espírito. E as pessoas que experimentam seguir a boa notícia passam a conhecer o verdadeiro sabor da alegria. Por isso, quem descobre que para ir a Deus basta aceitar Jesus como guia, rechaça os formuladores de regras rígidas que nem eles mesmos praticam. Esses falsos doutores “manipulam” a consciência dos fiéis.

2ªCoríntios 3.16-17: … quando alguém se converte ao Senhor, a revelação é exposta. Porque o Senhor é Espírito e, onde está o Espírito do Senhor, ali há liberdade”.

Não somos pedras, somos gente. Por isso, onde houver rigidez, o Espírito de Deus fica de fora, porque o Espírito de Deus é liberdade. E essa liberdade me faz percorrer o caminho da redenção, onde me deparo com a justificação pela fé, uma operação simples e gratuita, onde faço as pazes com Deus e sou admitido como filho na plenitude dos direitos e prerrogativas. Não se paga, não se compra: porque são dons!

Peço a Deus sabedoria para discernir entre os dons gratuitos que ele colocou à minha disposição e os falsos produtos da rigidez dos ideólogos evangélicos. Prefiro a liberdade de ser guiado pelo Espírito do que viver perturbado pela rigidez da heresia daqueles que colocam a vida de fé sob as prescrições que fabricam robôs evangélicos, mas, jamais produzirão um cidadão do céu!