Wednesday, May. 22, 2019

Carregando ...

Má gestão da saúde em PL gera prejuízo financeiro ao Município e à Santa Casa

Escrito por:

|

3 de abril de 2019 às

20:02

|

Postado em:

Má gestão da saúde em PL gera prejuízo financeiro ao Município e à Santa Casa

O descalabro na forma de administrar a saúde em Pontes e Lacerda tem como consequência direta prejuízo financeiro tanto ao Município quanto ao Hospital Vale do Guaporé, a nossa Santa Casa.

A desorganização na forma de atendimento dos ESF’s, que está desvirtuada das normas para os quais eles foram criados, a falta de coordenação do Secretário de saúde – uma figura meramente decorativa – e a administração centralizada e autoritária do Prefeito Alcino Barcelos dão mostras claras que a gestão está sendo amadora.

Um dos exemplos claros aconteceu nesta data. Uma senhora que fez um parto há dez dias no Hospital teve algumas alterações no quadro clínico e recebeu a indicação para fazer uma tomografia computadorizada, que custa R$ 250,00. Como a Santa Casa está inadimplente com o Laboratório, este não realiza a tomografia se o pagamento não for à vista.

Diante da incapacidade financeira do Hospital (seis parcelas em atraso por parte do Governo do Estado), o paciente deve ficar internado, ser regulado e encaminhado ao Hospital Regional de Cáceres através de ambulância. O custo do transporte para o Município é de R$ 1.200,00. Só nesse caso, prejuízo ao Poder Público no valor de R$ 950,00

Outro absurdo é o atendimento inconclusivo aos pacientes que procuram os ESFs. Com isso, a solução para quem está com problemas de saúde recai sempre no Hospital que, consequentemente, tem o número de atendimento aumentado e o consequente incremento de custos, inflando ainda mais a crise financeira.

Como se não bastasse, há muita demora na solução dos problemas que envolvem a Santa Casa e que precisam de solução por parte da Secretaria de Saúde. Como são sempre casos de pacientes internados, estes permanecem no Hospital – sendo medicados paliativamente, gerando custos de alimentação, ocupação de quartos, até que a Secretaria decida que providências tomar.

Outros casos são apresentados onde demonstram claramente que tudo o que a Secretaria de Saúde não tem é gestão. Além das irregularidades de contratos com empresa de uma vereadora – objeto de CPI – e de médicos que transportam pacientes em ambulâncias e que são servidores vinculados à própria Secretaria.

O prefeito Alcino Barcelos é hábil em transferir o ônus dos problemas que ele mesmo causa, procurando sempre gerar em seu favor dividendos políticos, não importando quem sofrerão desgastes.

Nesse caso, a subserviência da Secretaria de Saúde é flagrante. Como um “bibelô” o Secretário “adorna” a mesa de trabalho à espera que o Prefeito determine o que ele tem a fazer. A única certeza, e que depende de iniciativa dele, é de que vai receber seus proventos no final do mês.

Já o reflexo negativo desse descaso da saúde em Pontes e Lacerda recai todo em cima do atendimento do Hospital Vale do Guaporé e de sua diretoria que, mesmo competente, administra uma empresa doente,

Não se sabe até quando a direção daquele Hospital vai assumir a responsabilidade pelos desmandos dos políticos que deveriam sair do discurso e priorizar, na realidade, a saúde em Pontes e Lacerda.

A situação é grave. Alguém tem que habilitar a começar a discutir esse assunto de forma séria e responsável.

Já perdemos tempo demais.

Print Friendly, PDF & Email

Artigos relacionados

Sem argumentos dentro da Lei vereadores apelam para o sentimentalismo, escancaram o corporativismo e livram da cassação a colega Dra. Terezinha
Pedido de cassação da Dra. Terezinha será votado nesta terça de manhã. Ela deve permanecer no cargo
Com ajuda de minoria na Câmara Alcino se livra da investigação sobre escândalo “Vita Home Care”

Deixe um comentário sobre isso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*