Mato Grosso criou, em maio, 2.064 novas frentes de trabalho com carteira assinada saldo que coloca o Estado entre os seis maiores empregadores do país, no período. As atividades que sustentaram o desempenho positivo foram a construção civil, com 746 novas frentes e o comércio com outras 582 vagas. 

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados apresentado pelo Ministério do Trabalho mostram que o Estado teve o melhor desempenho do Centro-Oeste. A frente de Mato Grosso estão, Minas Gerais, com saldo de 19.823, São Paulo (+9.155), Bahia (+5.935), Espírito Santo (+5.001), Maranhão (+2.075) e Mato Grosso (+2.064). Na outra ponta, os piores resultados foram registrados no Rio Grande do Sul, que fechou 10.727 vínculos empregatícios, Santa Catarina (-4.484) e Rio de Janeiro (-3.139). 

O saldo mato-grossense de maio, em 2.064 vagas novas, é o resultado da movimentação de contratações e demissões registrada no decorrer do mês. Conforme o Caged, foram admitidos 31.985 trabalhadores e desligados 29.921.

O volume de novas vagas criado no mês passado contribuiu para o reforço do saldo positivo do nível de empregabilidade do Estado em 2018, que na comparação entre os acumulados de janeiro a maio revela incremento de 42,73%, com o resultado passando de 11.710 novas vagas para atuais 16.714 novas frentes formais. Esse saldo é o maior desde 2013, quando a geração de vagas somou 17.144 postos. 

Ainda conforme o Caged, todas as cinco atividades econômicas mais importantes no Estado – indústria, construção civil, comércio, serviços e agropecuária – fecharam maio com saldo positivo, ou seja, ofertando novas vagas de emprego, sendo a construção civil e o comércio, os destaques do mês.