No planejamento do mandato do prefeito Alcino Barcellos, mesmo antes da posse, uma das primeiras ações foi alterar por completo toda a estrutura administrativa da Prefeitura Municipal. Tomou a iniciativa de mudar a  nomeclatura de cargos e de secretarias, passando a se referir a elas como se fosse setores de uma antiga e obsoleta agência bancária. Mero simbolismo, sem qualquer efeito prático para os servidores, muito menos para a população.

Menos de noventa dias após a implantação do novo organograma que levou mais de mes para ser concebido, Barcellos já pediu socorro à Câmara de Vereadores para incluir mais um advogado no setor jurídico. A proposta deve ser votada na sessão de hoje à noite.

O prefeito e seu triunvirato que governa Pontes e Lacerda não levaram em consideração os conselhos e orientação dados pela equipe do ex-prefeito Donizete Barbosa de que, na estrutura jurídica, eram insuficientes os cargos definidos na nova estrutura. Teimosos, os donos do poder – do alto de seus tronos – insistiram no planejamento mal planejado, copiado de outras prefeituras.

Informação do próprio prefeito aos vereadores dão conta de que, hoje, a Prefeitura  possui mais de 200 processos judiciais, já perdeu prazo em alguns e corre o risco de impor prejuízos enormes ao erário público pela absoluta teimosia e arrogância. Até o servidor que abre o portão dos fundos da Prefeitura sabia que não ia dar certo.

Com o pires na mão, Barcellos comparece na Câmara e se obriga a curvar-se diante da lógica e da célebre frase de alguns vereadores “eu te avisei”. O aviso foi simples e cheio de prudência: assume primeiro, só preenche os cargos estritamente necessários e depois, com o andar da carruagem, faz as mudanças que achar necessárias.

Não ouvindo quem tem experiência, Barcellos tende a continuar errando. Outros setores já estão sofrendo com a atual estrutura, capenga na origem, e que pode não dar suporte para a implementação das ideias e devaneios do Prefeito.