Após os contantes atrasos nos repasses financeiro, falta de contrato e a diminuição acentuada no valor encaminhado à Santa Casa, o Ministério Público de Mato Grosso, através da Promotoria Cível de Pontes e Lacerda acionou o Estado de Mato Grosso na Justiça para regularizar a situação junto ao Hospital.

Na tarde desta quinta-feira (03.08), o promotor Paulo Colucci concedeu uma entrevista coletiva falando sobre o processo contra o Estado. Colucci garantiu que a liminar obriga o Estado a restabelecer o pagamento no valor de 792 mil reais em um prazo de 48 horas.

De acordo com o Promotor, a ação é resultado de uma investigação iniciada em 2016 e foi ingressada ontem (02) e deferida na manhã desta quinta (03), pelo juiz Leonardo Tumiati.

Na liminar, o juiz de Direito Leonardo de Araújo Costa Tumiati também determina que após receber o recurso, o hospital Vale do Guaporé retorne imediatamente os serviços de saúde no âmbito regional de baixa e média complexidade hospitalar e ambulatorial, na integralidade e de maneira ininterrupta.

A Santa Casa está com os atendimentos de especialidades suspensos desde a zero hora de terça (01). Esses serviços eram bancados pelo governo estadual e, em virtude da redução no repasse, foi interrompido.

Através da portaria 111/2017, publicada em 26 de junho, o governo reduziu de 792 para 320 mil reais. O montante, de acordo com a diretoria do Hospital, é suficiente apenas para o pagamento do corpo clínico da unidade.

Nesta quarta (02), em reunião articulada pelo Deputado Wancley Carvalho entre os 10 prefeitos da regional de saúde e o Governo, ficou acertado que o repasse será aumentado para aproximadamente 650 mil reais.

Os médicos especialistas em cirurgia geral, pediatria, ortopedia, anestesiologia, ginecologia e obstetrícia, que atendem no Hospital, emitiram uma nota de esclarecimento. “Não acreditamos que dois meses será suficiente para resolver o problema, queremos por fim a esta instabilidade, exigindo medidas duradouras e deixando claro que não serão medidas imediatistas com garantias temporárias que nos farão retomar as atividades.” Diz um trecho da nota.