Estudante de medicina de 18 anos, a cacerense Rhannye Jamilly foi assassinada com 10 tiros de fuzil em chacina que matou mais três pessoas no Paraguai. A matança aconteceu em frente a uma casa de eventos em Pedro Juan Caballero, na madrugada deste sábado (9).

Além da estudante de Cáceres, morreram no massacre Vicente Álvarez Grance (conhecido como Bebeto), a filha do governador do Departamento de Amambay, Haylee Carolina Acevedo Yunis, 18 anos, e outra brasileira Kaline Reinoso, de 21 anos, de Dourados (MS). Rhannye e Kaline faziam faculdade de medicina no Paraguai.

Nas redes sociais, amigos e familiares lamentaram a perda da jovem estudante que teria um futuro promissor pela frente. “Não dá para acreditar,descanse em paz minha princesa”, lamentou uma amiga de Rhannye.

A Polícia Nacional informou que foram realizados mais de 100 disparos de fuzil de vários calibres foram disparados. Osmar Vicente Álvarez Grance, 32 anos, o “Bebeto”, foi executado com 31 tiros principalmente no rosto que foi quase desfigurado. Haylee Carolina Acevedo Yunis foi atingida com 6 tiros, Kaline Reinoso de Oliveira, atingida com 14 tiros, e a mato-grossense Rhanye Jamilly foi executada com 10 tiros. Ainda não há pistas dos assassinos.

Sabe-se, até então, que o principal alvo dos pistoleiros era o Bebeto. Contudo, como o veículo foi alvejado de todos os lados, suspeita-se que os outros mortos também figuravam como alvos da chacina.

Por Olhar Direto