Com o desemprego gerado pela recessão aumentou o número de jovens que não estudam e nem trabalham, na comparação do ano passado com 2016. A parcela da população de 15 a 29 anos que não estava empregada nem estudava cresceu no ano passado, informou o IBGE. De um ano para o outro houve um aumento nesse contingente, o que equivale a mais 619 mil pessoas nessa condição, segundo dados da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua).

Só que o momento econômico ruim atinge homens e mulheres de forma diferente. Na análise segundo o sexo, 17% dos homens de 15 a 29 anos não estavam ocupados, nem estudando ou se qualificando, enquanto 28% das mulheres na mesma faixa etária estavam nessa condição.

Os dados corroboram um recorte da Pnad divulgada no fim do ano passado que mostrou que as mulheres trabalham quase o dobro de horas que os homens cuidando da casa ou de pessoas da família. 

Fonte/MT Via Rádio