A Polícia Judiciária Civil de Comodoro (644 km a Oeste) continua os trabalhos para apurar a conduta do piloto, Max Johnny Saraiva Silva Melo, 33, detido pela Polícia Militar na sexta-feira (24.03), após fazer um pouso forçado na pista particular de uma empresa, no município de Campos de Júlio (553 km a Noroeste).

Conduzido a Delegacia de Comodoro, o suspeito foi autuado em flagrante pelo crime de atentado contra a segurança de transporte aéreo, uma vez que estava com a habilitação vencida e pilotava uma aeronave diferente para qual era habilitado.

A detenção do suspeito aconteceu, na sexta-feira (24) após policiais militares serem acionados sobre o pouso sem autorização do avião bimotor pilotado pelo suspeito, na pista particular de uma empresa em Campos de Júlio. Em revista na aeronave, os policiais militares encontraram pedaços de lona preta, que levantaram a suspeita de que o avião era usado para transporte de entorpecentes, porém nenhuma droga foi apreendida.

Questionado, o piloto afirmou que precisou fazer um pouso forçado, mas apresentou diversas contradições sobre de onde vinha, e sobre o que ou quem transportava no veículo aéreo. Em checagem no sistema, foi constatado que o avião estava em situação regular e a venda.

Em relação ao suspeito, foi verificado que a sua habilitação estava com a validade vencida e era para aeronaves monomotor, diversificando da qual ele pilotava.

O suspeito foi conduzido a Delegacia de Comodoro, onde foi apresentado ao delegado plantonista, Carlos Augusto do Prado Bock, que requisitou a perícia da aeronave. Em interrogatório, o suspeito apresentou a versão de que vinha de Juara para Cuiabá, onde faria a manutenção da aeronave, porém novamente não soube responder algumas perguntas e apresentou contradições.

Diante da situação, o suspeito foi autuado em flagrante pelo crime de atentado contra a segurança de transporte aéreo. O crime é inafiançável e o flagrante foi encaminhado a Justiça Federal de Cáceres.

O delegado de Comodoro, Gilson Silveira do Carmo, assume o caso e aguarda o resultado da perícia no avião para dar continuidade as investigações.

.

Fonte: PJC