Agora é para valer.

As eleições de 2018 começam oficialmente essa semana, a partir de 15 de agosto próximo. E a falta de liderança política no município – abandonada pelo deputado Wancley – vai exigir uma conscientização do eleitorado de Pontes e Lacerda de que algo muito específico deve ser feito se quisermos manter um representante na Assembléia Legislativa.

Nas últimas eleições proporcionais praticamente metade do eleitorado de Pontes e Lacerda votou em candidatos “paraquedistas”, que só aparecem no município em período eleitoral. Esse eleitor tem mostrado que prefere vantagem pessoal ou corporativa do que o sentido coletivo. E há exemplos: candidatos evangélicos que às vezes nem conhecem Pontes e Lacerda recebem votos de membros de igrejas daqui. Puro corporativismo. Esse eleitor não dá importância ao desenvolvimento do local onde vive.

A outra metade do eleitorado – a que vota consciente – é quem tem garantido a eleição de um deputado estadual de Pontes e  Lacerda.

E nessas eleições, o risco de perdermos representatividade é muito grande.

Os candidatos locais e de fora estão começando suas campanhas.

Cabe a nós, eleitores, votarmos de forma consciente em favor de Pontes e Lacerda. A escolha é nossa, e o risco também.

Se o eleitor da região tiver a consciência de que é preciso a concentração de votos em um candidato cuja eleição seja possível, poderemos sim eleger de novo um deputado estadual. Ser “bairrista” nesta hora pode ser a diferença entre o avanço e o retrocesso.

Nesse período de campanha eleitoral, cabe a cada eleitor saber o que é mais viável para Pontes e Lacerda e região, acima dos interesses pessoais,  e escolher o melhor candidato.