O  prefeito Alcino Barcellos reuniu toda a cúpula do governo municipal na tarde desta quinta-feira para discutir o que vai responder   sobre a denúncia de assédio moral, coação e outros crimes contra um servidor público municipal quando estava no exercício do cargo.

Segundo o mesmo informante, o Ministério Público teria feito a notificação do Prefeito e do Chefe de Gabinete, dando um prazo de quinze dias para manifestação.

Como era de se esperar, Barcellos ficou transtornado com a denúncia e tentava argumentar que ela não tinha fundamento.

O funcionário da Prefeitura, no entanto, gravou tudo e entregou todas as provas ao Ministério Público.

Mais recentemente, recebemos a informação de que outro servidor da Secretaria de Obras estava indignado e mostrou todo o descontentamento do tratamento descortês que tem recebido dos gestores, inclusive do Prefeito municipal e tem dito que vai levar o caso para a esfera judicial.

Outras denúncias de prepotência e arrogância no tratamento com servidores também surgiram na Secretaria de Saúde, denunciadas por vereadores na Câmara Municipal.

Uma situação análoga de destempero teria ocorrido entre o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipal e o Chefe de Gabinete da Prefeitura. O Sindicalista denunciou que quase foi agredido pelo assessor do Prefeito, só não acontecendo de fato porque mostrou as câmeras de monitoramento, o que teria desestimulado a agressão. O caso ainda está sob análise do setor jurídico do Sindicato, que pediu cópia das imagens.

Um dos servidores que presenciou a reunião desta quinta-feira observou que  a decisão do funcionário em denunciar ao Ministério Público o assédio moral por parte de membros da administração municipal, deve estimular a outros que sofreram o mesmo constrangimento a tornarem público a forma como foram ou são tratados na atual gestão.