Desta vez é próximo a Prefeitura. Na esquina, de um lado e de outro. Deve ter ocorrido de ontem para hoje.

Árvores continuam sendo arrancadas sem um propósito previamente definidos, ou simplesmente estéticos. Como  a Secretaria do Meio Ambiente é comandada pelo vice-prefeito, não se sabe nem se são montados processos que analisem a derrubada, como determina a legislação.

A sociedade também não fica  sabendo dos critérios utilizados para o arranquio de árvores saudáveis.

Quem tem obrigação de fiscalizar, prefere fazer moções de apelo e usar a tribuna. Só discurso.