Uma denúncia de uso irregular de ambulância em Pontes e Lacerda pode trazer dor de cabeça para a atual administração municipal.

A informação é de que, no final do ano passado, por pelo menos trinta dias (e que pode chegar a dois meses) a Secretaria de Saúde teria utilizado uma ambulância “emprestada” para transporte de pacientes, sem qualquer amparo legal. O veículo não é da Prefeitura e não há registro de contratação de empresa ou mesmo registro de Ata de Preço que fizesse a cessão. E o Executivo agora não consegue fazer o pagamento à empresa proprietária do veículo.

Como apurar

Ainda segundo a denúncia, basta qualquer vereador solicitar a relação das ambulâncias que trabalharam nos últimos três meses de 2017 e conferir com o correspondente pagamento da locação.

Uma outra forma de confirmar a irregularidade seria – segundo a fonte – conciliar as placas das ambulâncias que abasteceram nos postos credenciados pela Prefeitura naquele período e verificar que uma delas não tem contrato de locação e nem consta no patrimônio da Prefeitura.

Ao que tudo indica, o “empréstimo” teria ocorrido na gestão da ex-secretária de saúde, tendo sido deixada a pendência quando pediu demissão.

Quem fiscaliza

A Câmara Municipal é composta de onze vereadores. Todos tem o dever constitucional de apurar irregularidades e fiscalizar os atos do Executivo.

Entretanto, o que se vê é que apenas três ou quatro parlamentares (sempre os mesmos) vez por outra fazem denúncias ou pedem esclarecimentos ao prefeito Municipal.

O restante – aqueles que passam o mandato bajulando o Prefeito – tem agora a oportunidade de cumprir o papel para que foram eleitos e confirmar a veracidade desta grave denúncia.

Ou vão esperar mais uma vez pelo Ministério Público, para não se indispor com o Prefeito?