Nos meses de maio e junho, Savi recebeu R$ 8,4 mil já que foram descontados R$ 16,8 mil por mês dos R$ 25,3 mil.

As informações constam no Portal Transparência do próprio Poder Legislativo. Desde que foi preso, em 9 de maio, Mauro Savi deixou de participar de 35 sessões ordinárias.

O presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho (DEM) confirmou que o  deputado preso continua recebendo salário, porém, afirma que a Verba Indenizatória foi suspensa ainda em maio.

Ainda segundo Botelho, o pagamento salarial do parlamentar deverá ser analisado novamente pelo jurídico do Parlamento.

De acordo com ele, a Procuradora Legislativa emitiu parecer informado que à Assembleia poderia funcionar com 23 deputados apenas.

Savi já teve 6 pedidos de habeas corpus negados no Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Supremo Tribunal Federal (STF). Os HCs foram pedidos pela sua defesa e pela Procuradoria Legislativa da Assembleia Legislativa.

O parlamentar é acusado de intermediar o acordo que deu origem ao esquema de fraude, desvio e lavagem de dinheiro na ordem de R$ 30 milhões no Detran. 

Fonte/ MT Via Rádio