Na tarde desta quarta-feira (02/07), a equipe da PRF abordou no km 294 da BR 174, no município de Pontes e Lacerda/MT, a combinação de veículo de carga (CVC), caminhão-trator Scania/R 440 A6x2, o qual tracionava um semirreboque da marca Randon. Durante a abordagem, observou-se que a carreta trafegava utilizando combustível do tipo diesel S-500, incompatível com o tipo de motor do veículo, que só deve funcionar com o diesel S-10.

No mercado existem dois tipos de diesel, o S-10 com teor de enxofre máximo de 10 ppm (partes por milhão) e o S-500 com teor de enxofre máximo de 500 ppm. O uso do diesel S-10 provoca menos emissões de poluentes, como material particulado e óxidos de nitrogênio, além de possuir outras propriedades que melhoram a partida a frio do veículo, diminuir a formação de depósitos na câmara de combustão e reduzir a contaminação do lubrificante.

Por outro lado, utilizar diesel S-500 torna inoperante o sistema de redução de gases tóxicos em caminhões providos do composto líquido ARLA 32, que é um reagente que é usado juntamente com o sistema de Redução Catalítica Seletiva (SCR) para reduzir quimicamente as emissões de óxidos de nitrogênio presentes nos gases de escape dos veículos a diesel.

O uso de diesel S-500 em caminhões fabricados a partir de 2012 reduz a vida útil do sistema EGR (recirculação de gases de escape – em português) e do Redução Catalítica Seletiva (SCR), que foram desenvolvidos para terem mesma vida útil dos motores, resultando em aumento do consumo de combustível e de óleo lubrificante, perda de desempenho e principalmente AUMENTO DOS NÍVEIS DE EMISSÃO DE POLUENTES, provocando a desconformidade do veículo com as exigências ambientais a ele aplicáveis.

O motorista da CVC confirmou que utiliza somente diesel S-500 no referido veículo, tendo em vista receber ordem superior para tal procedimento, haja vista que o valor desse combustível é razoavelmente menor que o diesel S-10. Sendo assim, a empresa Transportes, os sócios A.B.S e J.s, além do motorista I.K. foram enquadrados no crime ambiental de “Causar poluição de qualquer natureza, resultante em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora” – Modalidade culposa. Além disso, o veículo foi autuado na infração de trânsito prevista no Código de Trânsito Brasileiro, art. 230, IX, por trafegar com o aparelho obrigatório ineficiente.