Pontes e Lacerda sente os reflexos da crise financeira nacional e os números mostram o quanto ela afeta o setor produtivo, do comércio, de bens e serviços.

O nível de desemprego, no último ano, se mostrou instável, variando positiva e negativamente durante os meses do ano. Com o início das contratações da Mineradora Apoena, o ano de 2017 se mostra mais promissor nesse indicativo.

Agora, a queda na arrecadação do ICMS em 2015 e a tendência de curva descendente em 2016 preocupa os empresários e investidores.

Em 2014 a arrecadação do ICMS do município foi de R$ 19.473 mil. Em 2015 caiu para R$ 17.405 mil. Os números apresentados pelo SEBRAE-MT não mostram 2016, ainda. Estima-se, entretanto, que sejam menores do que o ano anterior.

Se a crise está ou não no “fundo do poço” ainda é especulação. O que é consenso é a necessidade de medidas que invertam essa tendência de baixa, através de políticas públicas e sinalizadores que incentivem o empresariado a voltar a investir e acreditar num cenário melhor, a curto e a médio prazo.

Quem gera emprego e renda é a iniciativa privada. Ela, todavia, é movida a perspectivas positivas. Que ainda não se tem em Pontes e Lacerda.