Quem passa em frente à Prefeitura se depara com uma cena inusitada. Nos três mastros erigidos para a colocação das bandeiras do Brasil, do Estado e do Município estão alguns restos de tecidos que nem de longe lembram um dos cinco maiores símbolos de nossa Nação e  do nosso Estado. Da bandeira de Pontes e Lacerda não há sequer resquícios.

Na cena deprimente está tudo errado. Além dos restos de panos, o que sobrou da bandeira nacional está em local inadequado, em desacordo com a legislação específica. Ela deveria estar no mastro central, logicamente.

Pelo tempo que ali estão, não se sabe quem é o maior devorador dos nossos símbolos: o tempo, o vento ou o descaso. Ou todos.